E aí, você tem fome de quê ?

Até o sol nasce e morre todos os dias, voltando sempre a brilhar. Despede-se da lua e adormece na escuridão da noite. Mergulha em sono profundo, sonhando com um novo dia. Contempla as estrelas e as ama, embora não sejam suas. Pois, apesar de sentir-se único, sabe que é parte de tudo.  E ao acordar, desperta para um novo recomeço, com todo o seu esplendor.

Assim, é a vida, desenhada minuto a minuto.  Onde cada minuto, equivale a sessenta segundos de felicidade ou a falta dela.

Já dizia o poeta, que “O correr da vida embrulha tudo. Esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta.” E, que embora vivamos perseguindo as horas, o tempo todo, precisamos ter a coragem para mudarmos a nossa história e é claro, muitos de nossos hábitos.

Vivemos em uma época de imediatismo, onde na maior parte do tempo, nos sentimos como passageiros sem destino. Com impressões e insights que levados pelo vento, nos tocam apenas de relance. Esquecemos o valor das coisas, mesmo sabendo o preço de tudo. E também, perdemos a capacidade de nos sentirmos imensamente felizes, com as nossas pequenas conquistas.

Aquelas por exemplo, que no dia a dia, nos tornam mais saudáveis, de dentro pra fora. Pequenas ações, que fazem a diferença. Deixamos de escutar os nossos corpos, prestar atenção às nossas dores, inclusive as emocionais. Pois, desaprendemos a cuidar de nós mesmos e dar ao nosso organismo, comida de verdade. Não nos dando conta do verdadeiro significado dos alimentos e das escolhas que fazemos, sobretudo do ponto de vista qualitativo.

E aí, você tem fome de quê?

Tá aí uma pergunta, que muitas vezes não conseguimos responder, pois o tempo nos sequestra em tal ritmo frenético, que nos dispersamos em pensamentos que nos levam montanha acima e ladeira abaixo o tempo todo, transformando-nos em reféns de nossas próprias emoções. E, nos tornando náufragos de nossas necessidades, levando-nos a agarrar à primeira coisa que nos venha a proporcionar um segundo de prazer, e não raro, a comida se apresenta como uma aparente salvação. Muitas vezes, industrializada, pobre em nutrientes e quase sempre, ultra-processada.

E assim, sentimos muitas vezes, dificuldade de diferenciar desejo de necessidade e vontade, levando-nos a incorporar hábitos alimentares nada saudáveis e pior ainda, sem nos darmos conta disso. Como consequência, a médio e a longo prazo, experimentamos diversos efeitos negativos como irritabilidade sem causa aparente, crises de ansiedade sem fim, depressão e tristeza profunda e etc. Efeitos estes, que a ciência já provou poderem ser minimizados com uma boa alimentação, rica em nutrientes essenciais.

Mas, como tudo na vida, é necessário começar. E a boa notícia, é que ao mudarmos os nossos hábitos alimentares, já conseguimos ver a curto prazo, diversos resultados positivos em nosso organismo. E aí, difícil vai ser retrocedermos aos nossos velhos hábitos, pois como eu já disse em outro post, as nossas papilas gustativas vão se tornando mais especializadas e a gente vai aprendendo a amar o que estamos comendo e o que nos faz bem, deixando de apreciar o que nos faz mal.

E, para te estimular ainda mais, cito apenas alguns dos benefícios que logo poderão ser vistos com uma simples mudança de hábitos em nossa alimentação – mais disposição física e também mental, maior capacidade de foco e disciplina, aumento da auto estima e muito mais equilíbrio em nossos embates emocionais, além de nos tornamos mais receptivos e proativos. Sem dúvida nenhuma, mil vezes melhor que Prozac ou açúcar.

E aí, gostou ? Então, conta pra gente e obrigado pela sua visita!

Abs, Equipe Tempere Seu Dia

by Glau Pereira, on 09/08/2016