Arroz requentado é mais saudável que o arroz fresquinho

Difícil de acreditar, não ? Mas, é isso mesmo. Pesquisadores da Faculdade de Ciências Químicas do Sri Lanka descobriram uma maneira de reduzir as calorias e a glicemia do arroz branco em até 60%, ao proporem uma nova forma de se preparar o grão. O que é uma ótima notícia, para todos aqueles que lutam com a balança ou optam por uma alimentação mais saudável.

Por ser um alimento que combina com diversos outros ingredientes e também ser relativamente barato, o arroz é largamente consumido no mundo inteiro, além de ser um dos principais alimentos que formam a cultura alimentar de países em desenvolvimento. Mas, assim como outros alimentos ricos em amido, ele não é tão bom para a saúde. Então, propor uma nova forma de prepara-lo, pode contribuir para uma diminuição dos índices de obesidade e ganho de peso. Medida esta, que poderia causar um enorme impacto e muitos benefícios para a saúde, visando as gerações futuras.

E, o método proposto pelos pesquisadores, possibilita que uma boa parte do amido digerível do arroz seja convertido em amido resistente (amido não digerível), o mesmo da banana verde. Impedindo assim, que este seja metabolizado em glicose e depois, absorvido pelo organismo, durante o processo de digestão.

Mas, para entendermos o que exatamente ocorre, é necessário falarmos um pouquinho de química. Para começar, nem todo amido é igual. Há diversos tipos de amidos, os de digestão rápida, de digestão lenta e os amidos resistentes. Os chamados amidos digeríveis são facilmente metabolizados e, rapidamente, viram glicose e depois glicogênio, o qual é armazenado no fígado e também nos músculos, como reserva de energia para uso futuro. Entretanto, o glicogênio possui um limite de armazenamento e seu excesso contribui para o aumento da gordura corporal, caso não se gaste a energia suficiente para queimá-lo. Já, os amidos chamados amidos resistentes, levam um longo tempo para serem processados e não são convertidos em glicose ou glicogênio, devido a não possuirmos a capacidade de digeri-los. Desta forma, eles funcionam como se fossem fibras solúveis, trazendo inúmeros benefícios para a saúde, além de serem menos calóricos.

E adivinha, qual dos amidos temos no nosso arroz branco ? Isso mesmo, você acertou ! Amidos Digeríveis.

Mas, é aí que a mágica acontece, através da interação do óleo de coco com o amido do arroz. Um casamento perfeito, que possibilita que a estrutura do grão seja alterada, de amido digerível para amido resistente. Fascinante, não ?

Então, vamos à receita ?

Como fazer …

1 – Leve para ferver, a água que irá ser utilizada para cozinhar o arroz.
2 – Em seguida, adicione o óleo de coco na água fervente (cerca de 3% em peso dos grãos de arroz crus que serão cozidos) e coloque os grãos de arroz para cozinharem. Ou seja, para cada 100 g de grãos de arroz cru, utilize 3 g de óleo de coco.
3 – Depois do arroz estar totalmente cozido, transfira-o para um recipiente e submeta-o a um banho-maria com água fria e gelo, para resfria-lo rapidamente, antes de leva-lo à geladeira.
4 – E em seguida, leve-o para a refrigeração por cerca de 12 horas, antes de consumi-lo. Esta é uma medida para acelerar o resfriamento do alimento, no caso o arroz cozido,  a fim de não favorecer a proliferação de microrganismos.
5– E quando for consumi-lo, é só reaquecer novamente o arroz.
6 – Devido à alquimia realizada em seus grãos, boa parte do amigo digerível se transformou em amido resistente, reduzindo assim seu valor calórico.

Nota: Diversos estudos mostraram que o amido resistente pode proporcionar poderosos benefícios à saúde humana. Isto inclui a melhoria da sensibilidade à insulina, redução dos níveis de açúcar no sangue, maior saciedade, além de diversos benefícios para a digestão.

E aí, gostou ? Então, volte sempre e muito obrigado pela sua visita!

Abs, Glau Pereira

by Glau Pereira, on 03/08/2016